A arte glam de Marilyn Minter

Postado por Júlia Franz - 15/02/2012 17:12

Por Clarissa Wolff



Marilyn Minter é adorada por Lily van der Woodsen (depois Bass, e ainda depois Humphrey), de Gossip Girl; a personagem, apaixonada por arte, destinou um dos quadros da artista para o (agora ex) quarto da filha, Serena (que não precisa de apostos).

 



Mas não é por isso que Marilyn é famosa – ou controversa. Em seu currículo constam séries de fotografias sobre pornografia, sexualidade e até mesmo tendo como tema a própria mãe, viciada em drogas. Marilyn, que nasceu em 1948 e vive NYC, recebeu muitíssimas críticas e foi, inclusive, acusada de representar as mulheres como objeto sexual. Entretanto, nos idos dos anos 90, ela refinou o trabalho e trouxe elementos de alta moda e senso de glamour às suas obras; ainda, é claro, com erotismo subliminar.



Nos anos 2000, foi outro o paradoxo explorado pela artista. Sempre polêmica, misturou o glamuroso mundo da moda aos restos dos desfiles. Exibiu, juntos, a beleza e todo o lixo que vem depois que o show acaba – como saltos altos mergulhados em poças de água suja. Essa realidade encenada é exposta criando resultados lindíssimos, como sempre, às vezes fazendo com que escape, à mente do observador, o real questionamento. Mas a artista não se preocupa tanto com isso: “Eu acho que sempre que você faz algo que parece bonito, as pessoas o subestimam. Eles imediatamente querem desvalorizá-lo. E se parece realmente lindo, a rejeição é automática. Mas isso não interessa realmente, porque eu sei que as pinturas vão continuar lindas em vinte, trinta ou cinqüenta anos. Então se as pessoas não as compreendem agora, elas irão, mais cedo ou mais tarde.”




Da crítica cruel à admiração incontestável nas páginas da VOGUE… way to go, Marilyn.

Avalie

Comentários

Total: 0 comentário(s)

Comente este post

* Campos obrigatórios